quinta-feira, 25 de julho de 2013

BM da Dani Moreno: música que marcou minha vida!

O desafio hoje é trazer músicas que marcaram uma época da minha vida...São tantas, de tantos momentos...
Vamos lá, por infância, adolescência e vida adulta.

Fase 1 - Infância
Anos 70, Disco Music!

Cheryll Lynn - Got To Be Real
Fase 2 - Adolescência
Anos 80, Rock!!!

Echo and the Bunnymen - The Killing Moon

Information Society - Think

Fase 3 - Vida Adulta
Anos 90, festas!

Pulp - Babies

Pearl Jam - Yellow Ledbetter


Undercover - Baker Street

Anos 2000, renovando as escutas através dos filhos e filha

Linkin Park - Numb

Carly Rae Jepsen - Call Me Maybe

Então estas foram algumas das minhas trilhas, cada uma em um momento mas todas super queridas!
Vem lá ver o que tem marcando a vida do pessoal lá na BM da Dani!


Que tal contar para as crianças que os bebês não vêm por Sedex?

Se antigamente era a "Senhora Cegonha", a encarregada de trazer os bebês para os lares das pessoas, hoje em dia como será que ela faria com este intenso tráfego aéreo? Ou ainda que fosse explicada a gestação através da história da sementinha, qual seria a resposta para a pergunta: "E como que esta semente foi parar na barriga da moça?"?

As informações brotam incessantemente a cada dia em cada grupo, em cada família, em cada cabeça. Nossas crianças convivem com realidades que falam por si só, e nós, adultos, pertencentes a este convívio ou não, em algum momento nos vemos desafiados a emitir alguma palavra sobre sexualidade. Seja através de respostas, seja através de opinião, mas chega uma hora em que o assunto vem.

A dúvida começa cedo, quando surgem as primeiras curiosidades sobre o corpo da mãe/pai. O que os torna semelhantes ou diferentes em relação aos adultos com que estão acostumados no convívio diário e então às práticas de asseio corporal, tais como banho ou higiene íntima?  

Aqui em casa meus filhos sempre tomaram banho comigo ou com o pai deles. Era uma questão de aproveitamento de espaço, carinho, e também pelo fato de que em alguns momentos não podiam ficar sozinhos pela casa enquanto estivessem com um de nós apenas, ou seja, o banho conjunto facilitava nossas vidas.

No início, ao redor de uns dois anos começaram os pequenos detalhes a falar mais alto. Havia a tentativa de tocar naquilo que parecia uma coisa estranha e diferente, mas antes mesmo que tocassem - por uma questão de privacidade e já de limite também- avisávamos: "ó você também tem o/a seu/sua!". 

E as crianças foram crescendo e compreendendo que meninos e meninas têm diferenças genitais sim. Foram sabendo de que excreções diferentes saem por orifícios diferentes e que ao mesmo tempo, homens e mulheres têm orifícios semelhantes porque homens e mulheres urinam e defecam sim!

O grande nó da questão são as falas como: "Como vou falar sobre corpo, sexo e sexualidade com meus filhos?", "Eles são pequenos demais, não está na hora de saberem sobre isso!"; " Tenho vergonha, não me sinto à vontade para falar sobre ISSO, com eles."; "Isso é assunto para adulto!", "Quando crescerem, eles aprenderão na escola!". "Quando EU era criança eu não me preocupava/falava sobre isso!". Em cada uma destas frases, há um sujeito e um verbo (pelo menos), que precisam de voz e escuta! Os tempos mudaram, temos muito acesso a diferentes fontes de informação. As crianças de hoje em dia conseguem em poucos minutos obter respostas para palavras, assuntos e dúvidas com alguns cliques... Se no tempo da gente as coisas foram diferentes, não quer dizer que tenhamos que manter a tradição e seguir com uma postura linear e rígida. Podemos flexibilizar dentro de nossas possibilidades, buscar informações e respaldo para nossas intervenções.


Pois bem, que tal começarmos a desatar estes nós e tornar o assunto sexualidade e corpo, algo cotidiano, sem vulgarizar, sem banalizar, sem  reforçar tabus?  O primeiro passo para esta conversa, é falar sobre nosso corpo:
Do livro: Vamos Falar Sobre Sexo
Uma conversa sobre corpo, tipos de corpo e sobre sentimentos e características que possuímos em comum com pessoas aparentemente diferente da gente, é importante. Deixar claro para a criança, que independente de pele, tamanho ou qualquer que seja a diferença física, as pessoas possuem fisiologias iguais - todas respiram, se alimentam, excretam, e (exceto em alguns casos) podem reproduzir.




Buscar apoio na literatura disponível, da Biologia, das publicações isentas do preconceito ou da linguagem que deturpa mais do que ensina é um recurso acessível nos dias de hoje. Falar sobre sexualidade deve sim, ser algo natural - afinal de contas faz parte de nossa vida, de nossas funções vitais! Este assunto requer esclarecimento, informação e muito carinho para com as crianças que querem saber, que perguntam ou mesmo que estranham o que vêm ou vivem. 

Conhecer o corpo é importante, é válido, é necessário! 



Conversar e aprender sobre a sexualidade é uma instrução necessária, independente da crença religiosa, das filosofias de vida, das perspectivas diversas. Porque para uma criança, saber sobre o próprio corpo pode inclusive, ajudar a protegê-la de situações como assédios e/ou abusos. Nós adultos não precisamos adentrar no detalhe das práticas sexuais, de intimidade dos casais ou mesmo de preferências, enfim. O que urge nas famílias e escolas é uma conversa franca, desprovida de qualquer conotação preconceituosa, limitada ou fantasiosa sobre o assunto Sexualidade.

Este livro, do qual eu apresentei estas imagens, trata do assunto de forma amigável. Leitura interessante até para pais e mães, educadores, realizarem uma aproximação com a abordagem para então quem sabe, obter um pouco mais de segurança.

Vergonha é sentimento desnecessário. Informar não é estar antecipando etapas,mas sim oportunizando a segurança de um aprendizado que pode sim, fazer uma grande diferença na estruturação dos conceitos e/ou afetos que nossas crianças e adolescentes estão a construir dentro de si e para o seu acesso ao mundo que lhes cerca!


Referência: HARRIS, Robie H. & EMBERLEY, Michael(ilustrações). Vamos Falar Sobre Sexo. São Paulo, Martins Fontes, 1997.

domingo, 21 de julho de 2013

BC da Fernanda Reali --> Esmalte e Inverno: O que que o inverno tem?

O assunto na BC Esmaltes da Fernanda Reali de hoje é Inverno!

Há cerca de um mês iniciou o inverno aqui no Brasil! Claro que para algumas regiões, o inverno não é sinônimo de frio e para outras, o frio acontece mesmo não sendo marcado pelo início da estação mais fria...

O esmalte que escolhi foi o azul/roxo ou roxo azul da Colorama, Noite Africana, Coleção África à Vista.









Amo o frio! Daqueles de colocar roupa quentinha, bota, cachecol, meia de nylon (ou lã) por baixo da calça jeans... Daqueles de usar um aquecedor de ambiente ou mesmo uma charmosa lareira no cantinho aconchegante da sala. Bem, eu com minhas histórias de frio legítimo vividas ao longo da minha vida, adoro lembrar de minhas experiências com a neve, com o ter que ligar um forno de cozinha para acalorar uma casa, enfim. 

Mas frio também é época de aproximar as pessoas, seja pelo contato físico, seja através de um carinho culinário. Há tantas coisas maravilhosas para se fazer, comer ou viver no frio... Amo chocolate quente, pinhão cozido, sagu com creme inglês (aquele molho de baunilha que todo mundo chama de creminho amarelo), estrogonofe, fondue e dormir com edredom bem quentinha!



Inverno tem isso de frio, de calor humano, de caloria ingerida e estas coisas antagônicas às baixas temperaturas externas em si. Mas tem um lado importante de a gente, se puder, não esquecer das pessoas que passam frio de fato e conseguirmos ajudar. As renovações em nossa casa e guarda-roupas ao mesmo tempo que faz espaço para nossas novas aquisições, pode esquentar o corpinho de alguém que nada tenha... E estas doações fazem tão bem, tanto para quem doa quanto para quem recebe.

No mais, a gente só não consegue trazer calor para dentro de quem já congelou a alma e enrijeceu o coração gelado!

Agora vamos lá ver o mosaico desta BC e esquentar nossa semana! Até sábado que vem!

sábado, 20 de julho de 2013

Bolo de laranja caprichado!

Eu amo um bolo de laranja! Estes tempos provei um de um jeito que não conhecia: com caldinha de açúcar crocante. Fui atrás de receitas que pudessem me ajudar. Eu fazia meu bolo de laranja mas não era bem ele que eu estava desejando desta vez.
Assim, adaptando ingredientes a minha receita, elaborei uma nova. E ficou maravilhoso o sabor do meu bolo!

Ingredientes:

Bolo
  • 3 ovos
  • 3 colheres(sopa) de margarina
  • 1 colher(sopa) de fermento em pó
  • 2+1/2 xícaras de açúcar
  • 3 xícaras de farinha de trigo
  • raspas da casca de 2 laranjas(Natal/Pêra)
  • 1 xícara de suco de laranja
  • 1/2 xícara de leite

Cobertura

  • 1 xícara de açúcar confeiteiro
  • 3 colheres (sopa) de suco de laranja 

Preparo do bolo:

Bater as claras em neve, reservar. Na batedeira, em outra tigela bater as gemas com o açúcar e a margarina. Quando estiver bem cremoso, adicionar a farinha de trigo, o suco de laranja, o leite e o fermento. Quando bem misturado, desligar a batedeira e acrescentar as claras em neve e por fim as raspas de laranja.

Untar uma forma com margarina e farinha de trigo.

Pré-aquecer o forno por dez minutos na graduação baixa.

Levar o bolo para assar por cerca de 40 minutos - depende da potência do forno e o tipo de assadeira utilizada. Não abrir o forno antes de 25 minutos de cozimento.



Para preparar a cobertura, basta misturar os ingredientes e despejar sobre o bolo.

Bom apetite!




quinta-feira, 18 de julho de 2013

BM da Dani Moreno-->Música pra soltar a franga!!!

Então na blogagy de hoje a Dani pediu pra liberar geral, requebrar o esqueleto e soltar a franga!
Vambora, galera! Tira o pé do chão, vem!!!!

Com a Cece Peniston - Finally



Com as Frenéticas- Abra Suas Asas



Com Bee Gees- Staying Alive





Com a P!nk - So What (esta foi sugestão de um amigo muito especial meu, o Matheus)


E a "maismais" de todas, pra mim é a da Gloria Gaynor- I Will Survive



Agora vem comigo lá conferir  como que o pessoal tá soltando a franga por lá, pelo mosaico!
Até semana que vem e quem quiser, venha participar da minha primeira BC!


domingo, 14 de julho de 2013

Primeira BC do Mamytri: BC de Inverno

Estou muito entusiasmada com a primeira Blogagem Coletiva do Mamytri! Primeiramente porque meu blog ainda não tem um ano e já trouxe muitas amizades queridas, aprendizados e um saldo muito positivo durante estes quase dez meses de vida!

Eu adoro Blogagem Coletiva, participar dos mosaicos das blogueiras conhecidas (ou nem sempre) e acho muito bacana esta coisa de partirmos de um assunto comum e deixar fluir o que a imaginação, lembranças, experiências de cada uma quiser!

A elaboração desta BC teve dicas das blogueiras Fernanda Reali, Rê Batista e super ajuda da Elaine Gaspareto!

Mas vamos ao que interessa! 
 O assunto é inverno! Estação que me enche de ótimas lembranças do tempo em que morei no sul. Adoro casacos coloridos, cachecol, botas de couro (qualquer salto, coturno, rasteira),  cobertores quentinhos, estufa, pantufa e uma linda lareira...

Quando mudei para o RJ, senti muita falta do frio e das baixas temperaturas. Mas algumas pequenas lembranças eu ainda posso colocar em prática por aqui - tipo para curtir os dias friozinhos cariocas!

Sigo apaixonada pelo chocolate quente... Na minha receita, faço assim:
- Coloco no liquidificador -> Uma lata de leite condensado, a medida da lata em leite de vaca, três colheres de sopa de Whisky, uma colher de sopa de canela em pó, uma colher de chá de café solúvel, bato bem. Se achar que está muito doce, acrescento mais leite. Se estiver bom, ligo o liqui e bato bem.

Levo ao fogo para esquentar até ferver.

Sirvo na caneca e coloco uma porção de chantily em spray, para dar um toque especial!

O que  não é consumido, que sobra na panela, deixo esfriar e guardo na geladeira em um vidro com tampa. Depois é só aquecer um pouquinho no fogão ou micro-ondas e pronto!


Inverno é época de comidas calóricas, temporada que faço muitos bolos aqui em casa também. Os preferidos são o de fubá e o recheado de chocolate com leite condensado cozido!

Bem, agora quero convidar vocês para participar desta BC! Cheguem com uma receita, uma dica, fotos, o que vocês quiserem trazer para esquentar o inverno por aqui, junto com a Mamytri! Podem participar com quantos links quiserem!

E vai ter um sorteio muito legal para quem comentar! Uma linda sopeira com colher de louça e três vidrinhos de esmalte para deixar suas unhas super charmosas para enfrentar o frio! 
Para participar do sorteio é muito fácil, basta ter endereço no Brasil,  deixar um comentário e alguma forma de contato caso seja a vencedora!
E no clima de inverno, dia 20/julho tem a BC Esmaltes da Fernanda Reali, que será Esmalte e Inverno! Traga seus posts, seu calor e participe!

O sorteio será dia 15 de agosto! Venham, meninas e convidem as amigas para esta brincadeira de inverno!



sábado, 13 de julho de 2013

BC da Fernanda Reali: Esmalte & Noite

A BC da Fernanda Reali deste sábado é esmalte e noite! 
Eu amo a noite! Assim como adoro a luz do dia para me energizar com o sol, também vejo na noite ótimas oportunidades para repôr estas energias!

Para meu post de hoje escolhi dois tons de vermelho, pois vermelho é energia, amor, uma cor forte!

O vermelho da Bourjois é bem antigo, eu já coloquei óleo de banana nele, algumas vezes para manter a textura mais fina. Já o vermelho metálico/cintilante é da marca BU - eu não conhecia esta marca e ganhei de presente da amiga Chris Ferreira! Fiz a filha única com este mais brilhosinho e ficou super bacana o look geral da mão!


Noite para mim é sinônimo de sossego. Não costumo sair à noite durante a semana. Finais de semana sim, saímos em família para jantar ou mesmo ir a festas de amigos. Confesso que não me sinto segura para transitar nas ruas depois de um certo horário e acaba que nossos programas terminam cedo ou nem saímos mesmo à noite, se não houver um motivo importante.

Eu tenho carinho pelo charme noturno. Para dormir eu amo pijamas lindos e confortáveis. E tanto no inverno ou no verão, gosto de roupinhas bonitinhas para dormir. Há alguns meses atrás, tão logo começaram a aparecer as coleções para o inverno, comprei alguns pijamas muito fofos. De malha de algodão, pois aqui no Rio nada pode ser quente demais devido ao clima pseudo-frio da madrugada.


Este pijama é um pink bem forte, quase vermelho. Tenho a impressão de que meus sonhos serão mais aconchegantes se eu chegar neles com paninhos confortáveis, coloridos e que eu me sinta bem - tal as roupas do dia!








E ele é todo cheio de escritas românticas que eu adoro: "I Love You", por exemplo...


Noite é tempo de descanso e também é preciso retirar o que ficou do dia e preparar o corpo para o dia seguinte. Por isso eu sempre uso um óleo bi-fásico demaquilante, pois minha pele precisa respirar e eu tenho medo de acordar de madrugada e dar de cara com uma figura de cara borrada no rímel, em meu espelho...


E depois de tudo certo, make retirado, pijaminha gostosinho, dentes escovados e luz apagada: uma máscara para os olhos também poderem relaxar. esta minha ganhei de presente da amiga Patrícia Daltro - que faz cada fofura em PATCH...

Pois então, falei aqui em noite. Como estamos vivendo as noites de inverno, quero convidar vocês para minha Blogagem Coletiva de Inverno. A partir do dia 15 de julho, até 15 de agosto vocês poderão estar postando tudo que estiver relacionado aos aconchegos de inverno. Pode ser receita, dica, roupa, cor, sabor, perfume, tudo aquilo que a gente puder trazer para esquentar os dias frios de Inverno e o coração da gente nestes dias! E para comemorar minha primeira BC, terá o sorteio de uma linda soupeirinha com colher e outros miminhos para quem visitar e comentar!

E no próximo sábado, a BC Esmaltes da Fer é de Inverno! A semana promete postagens quentinhas e muito aconchegantes para a gente! Mamytri espera por vocês!


quinta-feira, 11 de julho de 2013

BM da Dani Moreno: música brega!

Hoje a BM da Dani Moreno veio evocando o nosso lado bem brega! Eu vou colaborar com as músicas que com certeza NUNCA ( de nunca mesmo!) estarão na minha playlist!

A primeira delas é:

João Mineiro & Marciano

A segunda:


Ritchie - Menina Veneno

Outra:

 Perla - Chiquitita

Mais outra:

Altemar Dutra - Perfidia


E para fechar:


Agora vamos lá nos divertir na bregolândia e ver o que tem nos post dazamigas!!!




Vai um Sagu aí?

A temperatura no Rio de Janeiro nesta terça-feira esteve 20 graus Celsius. A sensação era de mais frio, afinal de contas estamos acostumados a ter sol, temperaturas amenas e sempre a possibilidade de pegar uma praia. Hoje não!


Pois então começam a brotar ideias de coisas tipo bombas calóricas, mas "engordantemente" deliciosas, tipo o Sagu.

Sou oriunda do Rio Grande do Sul, lá temos uma culinária com muita influência italiana, que usa vinho ou suco de uva em pratos doces ou salgados. Para saber mais sobre o Sagu, clique aqui.




Eu adoro este doce e confesso que já comi bons e péssimos dele ao longo da minha vida, até que aprendi a fazer um exatamente do jeitinho que eu gosto (o marido, minha família e a família do marido também!).

Dia desses, uma amiga gaúcha a Márcia Balz, compartilhou uma foto de um lindo prato de Sagu. Pronto, foi o estímulo que faltava para que eu deixasse berrar a gulosa que estava adormecida dentro de mim! Mas fiz uma porção pequena, suficiente para "adoçar os beiços" sem exagerar na caloria!

A minha receita leva:

- 1/2 xícara de sagu
- água para cobrir as bolinhas 
- cerca de 500 ml de um vinho tinto de mesa (bem baratinho)
- 2 barrinhas de canela em casca
- açúcar a gosto

Preparo:
Colocar o sagu em uma panela e acrescentar água sobre ele, o tanto que o cubra e sobre bem pouquinho acima do nível dele. Deixar descansar por uma hora.
Após esta uma hora, acrescentar o vinho aos poucos e então iniciar o processo de cozimento. À medida em que o vinho for secando, acrescentar mais um pouquinho e assim seguir até que todas as bolinhas estejam transparentes. A canela pode ser colocada em seguida que o vinho já estiver levemente cremoso.
Quando o vinho estiver tipo um gel transparente e mais denso, acrescentar o açúcar aos poucos. Tem que ir provando porque se errar na medida perde-se a receita.
Depois que colocado o açúcar, as bolinhas não ficarão mais transparentes do que estiverem. Por isso não podem estar branquinhas no meio delas!
Pronto! Despeje o sagu em um prato refratário e espere esfriar um pouco para não consumir fervente.






Creme de baunilha
Ingredientes:

- 1 gema
- açúcar a gosto (meu caso coloquei 4 colheres de sopa)
- 400 ml de leite de vaca
- 1 colher (de chá) de essência de baunilha
- 1 colher (de sopa) de amido de milho (Maizena)

Preparo 

Colocar metade do leite em uma panela e a outra metade manter em um copo medida (ou caneca). Na porção que ficar no copo medida, acrescentar todos os demais ingredientes, mexendo bem até que o líquido esteja bem lisinho e sem as bolhinhas da Maizena.
Misturar à outra parte do leite e mexer bem. Ligar o fogo com uma chama baixa e ir mexendo até que ganhe uma consistência cremosa, sem ser líquida nem dura demais. Costuma ferver um pouquinho, e então avaliamos se está cremoso o suficiente para o nosso paladar. Lembrando que ao esfriar,o creme endurece um pouquinho, portanto é bom desligar quando ele ganhar uma consistência de mingau.



Então, depois é esperar esfriar e despejar a quantidade desejada sobre uma porção de Sagu!





Posso garantir uma coisa para vocês: ficou delicioso e minha alma gulosa ficou bem satisfeita!


segunda-feira, 8 de julho de 2013

BC Esmaltes da Fernanda Reali: Esmalte e decoração!

Esta semana a BC Esmaltes da Fernanda Reali tem a ver com decoração. 

Para meu post, escolhi um esmalte meio verdinho, meio cinzinha esverdeado, um tom assim:


Pensei nesta cor para combinar com uma colcha que eu amo! Na verdade, eu sou doida por cama bem arrumada, com colcha e porta-travesseiros combinados e tal. 



Eu não tenho muitas colchas, pois elas ocupam muito espaço e aqui onde moro, se deixar guardado no armário sem uso frequente, as coisas ficam com muito cheiro de mofo, devido à maresia.

Assim, enquanto durar o esmalte, vou ter que combinar as unhas com algum verdinho das roupas!
Agora vem comigo lá ver o mosaico e o que as meninas trouxeram para decorar a blogagem!


quinta-feira, 4 de julho de 2013

BM da Dani Moreno: música pra ouvir na estrada


Eu vou contar que não gosto de dirigir em estrada, mas passear para chegar em algum lugar bacana eu adoro! Não sou muito fã de longos percursos. Gosto de algumas paradas dependendo do trajeto e tenho fascínio por viajar à noite, mas gosto do dia também (menos do que da noite para isso).

Em uma certa ocasião, no tempo do headphone ainda, eu gravava do rádio as fitas cassetes (nossa, mais umas palavras e vocês sentirão cheiro de naftalina, éca!!!) e levava comigo para viajar de Porto Alegre a Florianópolis, de ônibus.

Lembro de uma fita, em que estavam as seguintes canções:


Information Society - Think



The OutField - Say It Isn't So





Midnight Oil - Beds are Burning





INXS - New Sensation




The Cure - Boys Don't Cry


Bom, as que eu lembrei daquela "fita"eram estas, e amo elas até hoje!
Agora vem, pega a mochila, bagagem e player e vem pra estrada com a Dani, no mosaico!

BC Esmaltes e Desenho

O assunto da BC da Fernanda Reali deste dia 29 de junho é Esmalte e Desenho.

Eu escolhi um esmalte em tom de rosa (Toulouse, da Mavala), porque adoro esta cor quando faço algum desenho ou quero colorir algo. Rosa é cor de amor e associo desenho com algo muito amável que se expressa através de linhas, curvas e cores.



Eu não sou muito boa no traçado, na verdade gosto bem mais de moldar, esculpir com massa ou mesmo pintar. Meu desenho não segue muito fielmente o que construo dentro da minha cabeça... Aqui em casa a desenhista é a minha filha!



Mas ainda assim, eu guardei umas duas pastas com meus trabalhos realizados no Jardim de Infância - hoje Educação Infantil - e eu deveria ter cerca de 4 ou 5 anos...


Sorte que aprimorei um pouquinho o traçado e hoje consigo fazer umas coisinhas um pouquinho mais definida e ufa, minha letra melhorou substancialmente em relação a esta produção!




quarta-feira, 3 de julho de 2013

Aprender a receber não também faz parte do kit Limite!

Como pode uma palavra de tão poucas letras fazer brotas inúmeras definições e referências? LIMITE, afinal quem é você?

Limite é espaço, é palavra, é referência, é sim, é não, é concreto, é abstrato, é contenção, é proteção, é de certa forma liberdade.

O limite começa desde que uma criança consegue interagir com o mundo e percebe que suas reações desencadeiam ações/expressões nas demais. Se atendida de imediato, percebe que sua manifestação/protesto/exigência fez efeito. Se demorada para obter atendimento, mais estratégias para angariar resposta. Se atendida em prazo hábil, satisfeita em suas reivindicações e sem a necessidade de recorrer a subterfúgios elaborados para romper a barreira de suporte emocional do adulto mais próximo.

Ainda bebê, uma criança é capaz de perceber a facilidade/dificuldade do adulto em se comunicar com ela de forma clara, objetiva e fluida. Assim que detecta as suas próprias habilidades em extrair das demais pessoas aquilo que lhe é necessário ou desejado naquele momento, sim, recorre a mecanismos de desafio ao outro às vezes de forma agressiva, outras nem tanto, mas sempre contempladas no aspecto individual.

Há mães/pais que na ânsia de não ver um/a filho/a chorar, atendem imediatamente aos pedidos deles/as. Sim, porque quem tem filhos sabe quão irritante e de certa forma constrangedor, é ver um filhote berrando em alto e brado tom no meio do corredor de um supermercado seja lá pelo motivo que for - às vezes não choram porque querem o biscoito ou o iogurte, histerizam porque nem eles próprios sabem o que desejam, mas qualquer coisa pode ser interessante ou não, dependendo do grau de atenção que estiver sendo direcionado para este alguém ali, naquele instante.

E também tem o lado de que pais e mães esquecem ou ignoram o fato de que o mundo por aí afora diz "não" para a gente, dirá "não" para nossas crianças. E se a gente não souber instrumentalizá-los, o enfrentamento da realidade com certeza será um processo doloroso para ambos os lados. Por exemplo, você prometeu um belo jogo de varetas elaborados pelas crianças indígenas da Pérsia para seu filhote, como prêmio pelo cumprimento de um conjunto de atividades realizadas ao longo da semana. Porém, ao chegar no lugar da aquisição do dito prêmio, deparam-se com uma realidade adversa: a caixa do jogo estava vazia, o conteúdo extraviou embora a embalagem estivesse lacrada.

A criança chora desesperada porque cumpriu um conjunto de tarefas "Para Nada" (do ponto de vista dela) e a mãe quase surta porque a criança teve uma síncope e agora como fará para suportar a angústia (ira) deste terremoto frustrador? Uma situação difícil realmente de dispôr sobre a mesa e agir sobre ela. No entanto, se elaborada desde cedo a capacidade em desviar de um bloqueio e dele fazer brotar novas oportunidades, sim, surge a solução.

É importante estar sempre apresentando às crianças como receber um não pode ser algo precioso. Um exemplo disso é quando impedimos o acesso delas à qualquer situação perigosa como contato com fogo, facas, substâncias químicas, entre outras em que ecoa um sonoro : NÃOOOOOO!

Limite não tem receita certa, afinal o que para uns é limite/referência, para outros é apenas conceito ou palavra. Limite na verdade é uma parede invisível que impede de se avançar em direção a algo ou algum lugar imaginário. 

Saber ceder aos próprios limites é também digno de ser  reconhecido. Saber extrair das consequências de um não obtido, novas possibilidades é também um mérito. Limite não é empecilho, limite é o botão do "pause" que acionamos para respirar durante algo contínuo e para o qual urge o fôlego.

Assim, na medida em que fortalecemos nossas crianças a compreenderem  o recebimento dos nãos, conseguimos ajudar que elas próprias criem estruturas internas capazes de elaborar escolhas e (re)direcionar alternativas para uma melhor adaptação ao espaço em que estiverem inseridas.

Nossas crianças não podem e não receberão aprovação e consentimento para tudo o que desejarem fazer/obter. Mas também não há motivos que justifiquem uma vida inteira de não. Sim e não são necessários enquanto equilibram as situações, no que diz respeito ao bom-senso, sem demasias, sem discrepâncias.

Não se pode temer o mundo que nossos filhos encontrarão pela frente, à luz de que se poderia estar evitando o sofrimento deles ou mesmo ajudando-lhes a encontrar justiça quando os protegemos sob nossas asas. Nosso papel enquanto mãe/pai, educadores, família temos que manter clara nossa função de mediadores entre as situações e nossas crianças - ou seja, transitar entre o que está acontecendo de fato e como podemos pegar na mão delas para que atravessem as ocasiões com propriedade de experiência/causa/consequência.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo